Dr. Amilcar Bettini

Abrindo janela, aguarde ...

X

O que é um implante hormonal?

O tratamento de Terapia de Reposição Hormonal (TRH) é realizado por meio da implantação subcutânea de um segmento de tubos de silicone semipermeáveis. Esses tubos medem de 4 a 5cm e comportam cerca de 50mg de uma substância hormonal pura, que pode ser estradiol e testosterona bioidêntica, ou progestínico.

Tais substâncias podem ser usadas de forma associada ou não, de acordo com a necessidade de cada paciente, verificada em exames específicos.

 

Os implantes são colocados na região glútea. O procedimento de implantação dura menos de dez minutos, é indolor – já que é feito com anestesia local – e não apresenta restrições.

Após a implantação, o hormônio é liberado gradativamente na corrente sanguínea, de maneira segura e com dosagem personalizada, por um período de seis meses a um ano.

 

 

NÃO AOS EFEITOS COLATERAIS

Os Implantes Hormonais de testosterona e estradiol são bioidênticos, o que significa que são iguais aos hormônios produzidos pelo próprio organismo, no que diz respeito à estrutura molecular.

Desenvolvidos a partir de amostras orgânicas extraídas da urina de homens e mulheres jovens, causam efeitos colaterais consideravelmente menores do que os desconfortos gerados pelos hormônios sintéticos – obtidos em “laboratório” e geralmente utilizados nos tratamentos convencionais.

 

 

INOVAÇÃO, PRATICIDADE E SEGURANÇA

Entre os principais motivos que fazem com que os Implantes Hormonais sejam extremamente bem aceitos pelos pacientes estão:

• Eficácia: os resultados alcançados por meio do método são surpreendentes;
Praticidade: o paciente só precisa se preocupar com a troca do implante no intervalo de seis meses, ou um ano;
Segurança: o método elimina a possibilidade do esquecimento
Controle: garantia de que a dosagem correta será distribuída ao organismo.
Bem-estar: a inexistência de efeitos colaterais típicos dos outros métodos de tratamentos em TRH.

 

Estradiol

A reposição hormonal com implantes de estradiol deve ser iniciada com base nos níveis sanguíneos do hormônio obtidos na fase proliferativa do ciclo menstrual.

Nas pacientes que se encontram na menopausa, a dosagem deve ser feita alguns dias depois de suspenso qualquer tipo de reposição hormonal que esteja em uso pela paciente.

 

Testosterona

A associação do estradiol com testosterona se faz habitualmente com base nos níveis sanguíneos de testosterona total. O número de cápsulas varia de acordo com a necessidade de cada paciente.

 

Gestrinona

A gestrinona é um 19-nor esteróide, anti-estrogênico e anti-progesterona. O composto tem efeito anabolizante e hemostático, sendo por isso usado no tratamento de anemia. Patologias estrogênio-dependentes respondem bem a gestrinona e podem ser utilizadas em tratamentos de endometriose, miomas e mastopatias. É indicada também para TPM, baixa de libido, adenomiose, hipertrofia uterina, perda de massa muscular e da massa óssea, revertendo, quando associada ao estrogênio a osteopenia.

Sob a forma de implantes, a gestrinona oferece a vantagem de não passar pelo fígado na primeira passagem e ser liberada lentamente ao longo de um ano, inibindo a ovulação e a menstruação por um ano, portanto, funciona como anticoncepcional.

 

Elmetrin

A elcometrina (Elmetrin), conhecida nos Estados Unidos como Nestorone e cuja a sigla é ST- 1435, está aprovada pelo Ministério da Saúde do Brasil como anticoncepcional para lactantes em virtude da ausência de efeitos colaterais para o lactante. Um único implante inibe a ovulação por seis meses. A menstruação e a TPM também são inibidas. O esteróide é um 19-nor esteróide que bloqueia tanto o pico estrogênico quanto o pico androgênico, reduzindo assim os níveis elevados dos hormônios na fase ovulatória. Também provoca regressão de endometriomas e miomas.
Em um estudo realizado no Brasil em pacientes com endometriose, portadoras de dismenorréia, a intensidade da dor foi reduzida desde o primeiro mês de tratamento. Ao final do primeiro trimestre, nenhuma paciente referia dor forte ou incapacitante cuja incidência foi reduzida de 86% para zero.

Rio de Janeiro – R. Dalcídio Jurandir, 255 cl. 122 – Barra da Tijuca | 21 3442-7575 / 21 3322-7503 / 21 96011-0719

São Paulo – R. Coelho Lisboa, 809 – Tatuapé | 11 2389-2070